Ano: 
2019
Categoria: 
Atividades do setor Saúde indutoras da participação social da pessoa idosa (grupos de convivência; atividades culturais, artísticas, de recreação e lazer; ações intergeracionais; atividades que estimulem a participação na vida comunitária e cidadã; contro
Região da Prática: 
Sudeste
Município: 
São Paulo
Instituição Responsável: 
SPDM - AME IDOSO SUDESTE
Parceiros: 
Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo - Área Técnica Saúde do Idoso
Coordenação da experiência: 
MARCIA MAIUMI FUKUJIMA
Telefone institucional: 
(11) 4280-2860
Email da coordenação: 
maiumi.fukujima@spdm.org.br
Qual a esfera da experiência?: 
Grupo A - Estados
O que motivou a realização dessa experiência?: 
A prática de atividade física contribui para manutenção da funcionalidade do idoso e para promoção do envelhecimento ativo. Contudo, existe risco de sobrecargas e descompensação de doenças subjacentes. Percebemos que as atividades físicas deveriam ser praticadas de forma segura com avaliação individual de cada idoso com levantamento dos riscos e implementação de medidas para minimizá-los. Na nossa instituição a prática de atividade física é uma atividade de convivência que agrega informações sobre saúde e bem estar.
O que se esperava modificar ou realizar através da iniciativa?: 
Com a avaliação clínica dos idosos antes do início da prática de atividade física espera-se redução de intercorrências durante atividade física. Secundariamente, detectar sarcopenia, que é o processo natural e progressivo de perda de massa muscular e se relaciona à perda de capacidade funcional com consequente perda de qualidade de vida do idoso.
Descreva as metas para o desenvolvimento da experiência (de 1 a 4, no maximo): 
Avaliação clínica de idosos antes da prática de atividade física
Reduzir intercorrências clínicas durante a prática de exercícios físicos
Detectar sarcopenia para instituição de atividade preventiva específica
Qual o perfil dos idosos envolvidos nessa experiência?: 
O perfil dos idosos é de usuários da instituição, com mais que 60 anos, referenciados pelas linhas de cuidado internas
De que forma a experiência foi divulgada ao público?: 
Há divulgação em murais e nos eventos de convivência, porém, a maioria dos idosos é refernciada
Onde foi desenvolvida?: 
Experiência foi desenvolvida no AME idoso Sudeste, instituição pública da Secretaria de Saúde do Governo do Estado de São Paulo.
Como os idosos foram selecionados para participar?: 
Os idosos são referenciados pelos profissionais da própria instituição.
Quantos idosos pretendiam alcançar com essa experiência?: 
200
Quantos idosos participaram da experiência, por ano de atividade?: 
Participaram até o momento 196 idosos no primeiro ano de implantação (2019).
Ao final, ou até o momento, quantos idosos participaram da experiência?: 
196
Qual o principal motivo da saída dos idosos nas atividades da experência? Porque deixaram de participar?: 
Os idosos participam da avaliação física, porém, alguns abandonam a prática de atividade física. Os principais motivos das faltas nas atividades são adoecimento, falta de acompanhante e dificuldade de transporte ou mobilidade.
Descreva detalhadamente como eram as atividades realizadas: 
Os idosos são agendados no sistema de regulação e agendamento da Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde. As avaliações clínica com médico e física com profissional de educação física, assim como a realização do eletrocardiograma, são agendadas para o mesmo período. Os pacientes fazem um circuito: 1. Realização de ECG 2. Consulta com Enfermagem: a. Aferição de PA b. Aferição de frequência cardíaca c. Peso d. Estatura e. Circunferência de panturrilha 3. Consulta médica: a. Avaliação do ECG b. Risco cardiovascular c. Avaliação de risco de sarcopenia usando instrumento SARC-F, escala de cinco domínios relacionados à atividades funcionais (carregar peso, caminhar dentro de casa, levantar-se de cadeira, subir escadas e quantidade de quedas) d. Levantamento de comorbidades e medicamentos. e. Definição de conduta: aptidão para atividade física e intensidade de atividade física f. Encaminhamentos e orientações caso necessário 4. Avaliação física pelo profissional de educação física: a. Teste Timed-up-and-go estima velocidade e desempenho de marcha b. Teste de sentar e levantar c. Avaliação física muscular d. Levantamento de uso de aditamentos de marcha e. Levantamento de limitações
Descreva quais as dificuldades encontradas para realização das atividades.: 
Não houve dificuldade na fase de avaliação.
Quais foram os resultados observados depois da implementação?: 
Foram avaliados no período de fevereiro a junho 196 participantes com idades de 60 a 97 anos, sendo 158 mulheres e 38 homens, com média de idade de 83 anos. As avaliações realizadas em 2019 resultaram em contra-indicação de atividade física em 18 idosos (9,1%). Entre os principais motivos de contra-indicação clínica de atividade física foram doença coronária mal definida, arritmias sem controle clínico e pós-operatório ou programação cirúrgica. Todos foram encaminhados para especialistas para avaliação complementar antes da liberação segura para atividade física. Sarcopenia foi detectada em 42,8% dos idosos. As atividades físicas são realizadas em sessões de 50 minutos, duas vezes por semana. Desenvolvemos 8 grupos de 30 participantes cada por semana. O programa de atividade física é de 4 meses. Após esse período, são feitas avaliações finais e os participantes são orientados a manterem a atividade física em unidades básicas ou centros de convivência no território de seus domicílios.
Descreva os resultados observados de acordo com as metas previstas: 
Avaliação física detectou participantes de alto risco cardiovascular ou de complicações clínicas em 9% dos idosos avaliados
Até o momento não houve intercorrências clínicas durante as sessões de atividade física
Descreva em forma de indicadores quantitativos (números, proporções, taxas) os resultados alcançados pela experiência.: 
Taxa de contra-indicação temporária de atividade física foi de 9,1%, o que significa que foi identificado alto risco de complicação cardiovascular ou de outra ordem que poderiam ser desencadeados pela prática de atividade física. Sarcopenia foi detectada em 84 idosos (44,9% das mulheres e 34,2% dos homens) conforme escore obtido na escala SARC-F maior ou igual a 4.
Existe equipe responsável pelo monitoramento/avaliação da experiência?: 
Sim
Com que frequência se reúne?: 
mensalmente
Quais os pontos positivos da experiência?: 
O principal ponto positivo da experiência é a redução de risco de intercorrências clínicas durante atividades de convivência. Detecção de sarcopenia pode orientar o tipo de atividade física a ser desenvolvida com os idosos. A prática de atividade física é importante para manutenção da funcionalidade e para promoção do envelhecimento ativo, porém, deve ser executada com segurança. Apesar da atividade física ser realizada em grandes grupos, técnicas específicas podem ser escolhidas de acordo com avaliação individual.
Quais as limitações da experiência?: 
A principal limitação é do número de usuários por período devido limite físico dos espaços destinados à prática de atividade física. Não houve limitação para execução da avaliação clínica dos usuários.
2019
-
Sudeste
Segurança do idoso participante de atividade física
Introdução
A prática de atividade física contribui para manutenção da funcionalidade do idoso e para promoção do envelhecimento ativo. Contudo, existe risco de sobrecargas e descompensação de doenças subjacentes. Percebemos que as atividades físicas deveriam ser praticadas de forma segura com avaliação individual de cada idoso com levantamento dos riscos e implementação de medidas para minimizá-los. Na nossa instituição a prática de atividade física é uma atividade de convivência que agrega informações sobre saúde e bem estar.
Objetivos
Com a avaliação clínica dos idosos antes do início da prática de atividade física espera-se redução de intercorrências durante atividade física. Secundariamente, detectar sarcopenia, que é o processo natural e progressivo de perda de massa muscular e se relaciona à perda de capacidade funcional com consequente perda de qualidade de vida do idoso.
Metas
  1. Avaliação clínica de idosos antes da prática de atividade física
  2. Reduzir intercorrências clínicas durante a prática de exercícios físicos
  3. Detectar sarcopenia para instituição de atividade preventiva específica
Público alvo
O perfil dos idosos é de usuários da instituição, com mais que 60 anos, referenciados pelas linhas de cuidado internas
Divulgação
Há divulgação em murais e nos eventos de convivência, porém, a maioria dos idosos é refernciada
Número de participantes
196
Atividades
Os idosos são agendados no sistema de regulação e agendamento da Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde. As avaliações clínica com médico e física com profissional de educação física, assim como a realização do eletrocardiograma, são agendadas para o mesmo período. Os pacientes fazem um circuito: 1. Realização de ECG 2. Consulta com Enfermagem: a. Aferição de PA b. Aferição de frequência cardíaca c. Peso d. Estatura e. Circunferência de panturrilha 3. Consulta médica: a. Avaliação do ECG b. Risco cardiovascular c. Avaliação de risco de sarcopenia usando instrumento SARC-F, escala de cinco domínios relacionados à atividades funcionais (carregar peso, caminhar dentro de casa, levantar-se de cadeira, subir escadas e quantidade de quedas) d. Levantamento de comorbidades e medicamentos. e. Definição de conduta: aptidão para atividade física e intensidade de atividade física f. Encaminhamentos e orientações caso necessário 4. Avaliação física pelo profissional de educação física: a. Teste Timed-up-and-go estima velocidade e desempenho de marcha b. Teste de sentar e levantar c. Avaliação física muscular d. Levantamento de uso de aditamentos de marcha e. Levantamento de limitações
Resultados
Foram avaliados no período de fevereiro a junho 196 participantes com idades de 60 a 97 anos, sendo 158 mulheres e 38 homens, com média de idade de 83 anos. As avaliações realizadas em 2019 resultaram em contra-indicação de atividade física em 18 idosos (9,1%). Entre os principais motivos de contra-indicação clínica de atividade física foram doença coronária mal definida, arritmias sem controle clínico e pós-operatório ou programação cirúrgica. Todos foram encaminhados para especialistas para avaliação complementar antes da liberação segura para atividade física. Sarcopenia foi detectada em 42,8% dos idosos. As atividades físicas são realizadas em sessões de 50 minutos, duas vezes por semana. Desenvolvemos 8 grupos de 30 participantes cada por semana. O programa de atividade física é de 4 meses. Após esse período, são feitas avaliações finais e os participantes são orientados a manterem a atividade física em unidades básicas ou centros de convivência no território de seus domicílios.

Ficha técnica

Município:
São Paulo
Instituição Responsável:
SPDM - AME IDOSO SUDESTE
Coordenação da experiência:
MARCIA MAIUMI FUKUJIMA
Email da coordenação:
maiumi.fukujima@spdm.org.br
Telefone institucional:
(11) 4280-2860
Categoria da experiência:
Atividades do setor Saúde indutoras da participação social da pessoa idosa (grupos de convivência; atividades culturais, artísticas, de recreação e lazer; ações intergeracionais; atividades que estimulem a participação na vida comunitária e cidadã; contro
Parceiros:
Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo - Área Técnica Saúde do Idoso
Fotos:

Coordenação de Saúde da Pessoa Idosa/DAPES/SAS/MS
Telefone: (61) 3315-6226
idoso@saude.gov.br