Ano: 
2019
Categoria: 
Atenção à saúde da pessoa idosa no ambiente domiciliar
Região da Prática: 
Nordeste
Município: 
Salvador
Instituição Responsável: 
Centro de Referência Estadual de Atenção à Saúde do Idoso - CREASI
Parceiros: 
Intra e intersetoriais (Corpo técnico do Creasi, profissionais da rede SUS, INSS, Corpo de Bombeiros, Universidades, Ministério Público etc.)
Coordenação da experiência: 
Amélia de Fátima Pinheiro de Oliveira e Nelci Medeiros Batista – enfermeiras do CREASI
Telefone institucional: 
(71) 3103-6122
Email da coordenação: 
creasi.cae@saude.ba.gov.br
Qual a esfera da experiência?: 
Grupo A - Estados
O que motivou a realização dessa experiência?: 
Observar que familiares/cuidadores tinham poucas informações acerca dos problemas de saúde apresentados pelos pacientes, em especial os quadros neurodegenerativos e outros que causam maior prejuízo funcional, impactando no processo de cuidado e reabilitação, gerando sobrecarga e estresse aos cuidadores. Assim, surgiu a possibilidade de desenvolver ações relacionadas ao cuidar em suas várias dimensões: o cuidar de si, o ser cuidado pelo outro, e o ambiente onde isso ocorre. Bem como reconhecer a importância da pessoa que cuida no processo de reabilitação funcional do idoso, baseado nos dispositivos legais do artigo XVIII da Lei 10741/2003 – Estatuto do Idoso e no artigo 19 da Portaria MS-GM 963/2013 – Inciso II E IV. Art. 18 da Lei 10741/2003 – Estatuto do Idoso: “As instituições de saúde devem atender aos critérios mínimos para o atendimento às necessidades do idoso, promovendo o treinamento e a capacitação dos profissionais, assim como orientação a cuidadores, familiares e grupos de autoajuda”. Art. 19 da Portaria MS-GM 963/2013: "Inciso II: “Identificar e treinar os familiares e ou cuidadores dos usuários envolvidos na realização dos cuidados, respeitando os seus limites e potencialidades. [...] Inciso IV: “Elaborar reunião para cuidadores e familiares.”
O que se esperava modificar ou realizar através da iniciativa?: 
Objetivou-se com o Programa de Apoio ao Cuidador (PAC) do Creasi: - Orientar e treinar habilidades necessárias para o cuidado ao paciente em domicílio; - Educar sobre aspectos relacionados a doenças/agravos à pessoa idosa; - Promover troca de experiências entre os participantes; - Oferecer um espaço de acolhimento e apoio, com vias a organizar a prática do cuidar e diminuir a sobrecarga da pessoa que cuida; - Oferecer acompanhamento psicoterápico breve para cuidadores mais vulneráveis e estressados; - Identificar do perfil do familiar/cuidador do paciente assistido pela instituição.
Descreva as metas para o desenvolvimento da experiência (de 1 a 4, no maximo): 
Construir roteiro programático baseado nas necessidades identificadas juntos aos familiares e cuidadores, tanto de conteúdos de educação em saúde, como de atividades lúdicas e socializantes;
Estabelecer parcerias intersetoriais ampliando a rede de atenção ao idoso e cuidador;
Minimizar o impacto de sobrecarga e estresse do cuidador por meio de suporte e apoio informativo e emocional;
Melhorar o cuidado e a qualidade de vida do binômio paciente e cuidador.
Qual o perfil dos idosos envolvidos nessa experiência?: 
Familiar e/ou cuidador de pacientes assistidos na unidade, que prioritariamente são idosos frágeis.
De que forma a experiência foi divulgada ao público?: 
Através das equipes de assistência da instituição; pelo site e portal da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia; informes em mural e convites veiculados na unidade com a programação semanal.
Onde foi desenvolvida?: 
A atividade é desenvolvida no Centro de Referência Estadual de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa, unidade ambulatorial especializada em Geriatria e Gerontologia da rede própria estadual do SUS, vinculado à Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. A experiência é aberta a todos os familiares e ou cuidadores de pacientes assistidos na instituição, logo, compreende o estado da Bahia.
Como os idosos foram selecionados para participar?: 
Os familiares e/ou cuidadores são encaminhados por meio da avaliação das equipes da Unidade e por demanda espontânea.
Quantos idosos pretendiam alcançar com essa experiência?: 
800
Quantos idosos participaram da experiência, por ano de atividade?: 
Não foi estabelecida a quantidade de pessoas a se alcançar, principalmente porque a adesão é voluntária nos grupos de enquadre aberto e um mesmo familiar/cuidador pode se beneficiar das diversas propostas. Considerando a capacidade instalada da equipe, pode-se ofertar cerca de 1200 atendimentos ao ano, distribuídos em atividades em grupo, consulta individual de enfermagem e psicoterapia individual.
Ao final, ou até o momento, quantos idosos participaram da experiência?: 
733
Descreva detalhadamente como eram as atividades realizadas: 
Após realizada consulta com profissionais na unidade, estes identificam familiar/cuidador elegível para avaliação no Programa de Apoio ao Cuidador. O familiar/cuidador é agendado, passa por entrevista individual em consulta de enfermagem, em que é realizada avaliação com escuta qualificada e aplicação psicométrica da Escala Zarit, com identificação de necessidades e construção de plano terapêutico, que podem se desdobrar em: participação em reunião semanal de 2 horas no grupo “Espaço Cuidar”; consultas de segmento com enfermagem para orientações específicas, reuniões familiares; psicoterapia individual breve com psicólogo com duração de 12 a 18 sessões. No "Espaço Cuidar", as atividades têm programação diversificada, com roteiro pactuado coletivamente com os participantes, em que são definidos os temas, ações lúdicas, atividades socializantes, oficinas de práticas do cuidado, oficinas de artesanato, participação de convidados intra e intersetoriais. As palestras são realizadas por profissionais do CREASI ou de outras instituições, tendo temáticas como: vacinação, prevenção de câncer de mama/próstata, uso racional de medicamentos, fases da demência, alterações de comportamento no idoso, segurança no domicílio, suporte básico de vida, prevenção de quedas, direitos do cidadão, proteção social do idoso etc.
Descreva quais as dificuldades encontradas para realização das atividades.: 
Basicamente a dificuldade de adesão de muitos familiares e cuidadores interessados nos encaminhamentos do Programa de Apoio ao Cuidador (PAC), que são em geral decorrentes da insuficiência de rede de suporte familiar ou social que facilite seu acesso e participação nas atividades.
Quais foram os resultados observados depois da implementação?: 
Avaliações semestrais realizadas com os participantes para elencar temas de interesses e propostas. Participação de mais 50 parceiros institucionais na realização das atividades grupais ao longo da experiência, incluindo-se profissionais do Creasi, estudantes, residentes, profissionais de outras instituições. Depoimentos verbais nos processos semestrais de avaliação com os participantes, em que esses indicam impacto positivo na prática cotidiana, com estabelecimento de rotinas do cuidado à pessoa idosa e no autocuidado, além de relatos de melhora no bem-estar subjetivo após inclusão no Programa de Apoio ao Cuidador. Feedback positivo das equipes por meio de relatos de profissionais nas reuniões técnicas.
Descreva os resultados observados de acordo com as metas previstas: 
Avaliações semestrais realizadas com os participantes para elencar temas de interesses e propostas.
Participação de mais 50 parceiros institucionais na realização das atividades grupais ao longo da experiência, incluindo-se profissionais do Creasi, estudantes, residentes, profissionais de outras instituições.
Depoimentos verbais nos processos semestrais de avaliação com os participantes, em que esses indicam impacto positivo na prática cotidiana, com estabelecimento de rotinas do cuidado à pessoa idosa e no autocuidado, além de relatos de melhora no bem-estar
Feedback positivo das equipes por meio de relatos de profissionais nas reuniões técnicas.
Descreva em forma de indicadores quantitativos (números, proporções, taxas) os resultados alcançados pela experiência.: 
- 733 familiares/cuidadores cadastrados. - Mais de 360 atividades em grupo realizadas ao longo da experiência. - As atividades realizadas atingiram cerca de 480 a 600 participantes por ano. - Cerca de 70 familiares/cuidadores já foram atendidos em psicoterapia individual. Importante salientar que o sistema de agendamento da unidade não produzia dados estatísticos do procedimento de psicoterapia no Programa de Apoio ao Cuidador, tendo sido incluído somente no ano 2018.
Existe equipe responsável pelo monitoramento/avaliação da experiência?: 
Sim
Com que frequência se reúne?: 
Mensalmente
2019
-
Nordeste
Programa de apoio ao cuidador do CREASI
Introdução
Observar que familiares/cuidadores tinham poucas informações acerca dos problemas de saúde apresentados pelos pacientes, em especial os quadros neurodegenerativos e outros que causam maior prejuízo funcional, impactando no processo de cuidado e reabilitação, gerando sobrecarga e estresse aos cuidadores. Assim, surgiu a possibilidade de desenvolver ações relacionadas ao cuidar em suas várias dimensões: o cuidar de si, o ser cuidado pelo outro, e o ambiente onde isso ocorre. Bem como reconhecer a importância da pessoa que cuida no processo de reabilitação funcional do idoso, baseado nos dispositivos legais do artigo XVIII da Lei 10741/2003 – Estatuto do Idoso e no artigo 19 da Portaria MS-GM 963/2013 – Inciso II E IV. Art. 18 da Lei 10741/2003 – Estatuto do Idoso: “As instituições de saúde devem atender aos critérios mínimos para o atendimento às necessidades do idoso, promovendo o treinamento e a capacitação dos profissionais, assim como orientação a cuidadores, familiares e grupos de autoajuda”. Art. 19 da Portaria MS-GM 963/2013: "Inciso II: “Identificar e treinar os familiares e ou cuidadores dos usuários envolvidos na realização dos cuidados, respeitando os seus limites e potencialidades. [...] Inciso IV: “Elaborar reunião para cuidadores e familiares.”
Objetivos
Objetivou-se com o Programa de Apoio ao Cuidador (PAC) do Creasi: - Orientar e treinar habilidades necessárias para o cuidado ao paciente em domicílio; - Educar sobre aspectos relacionados a doenças/agravos à pessoa idosa; - Promover troca de experiências entre os participantes; - Oferecer um espaço de acolhimento e apoio, com vias a organizar a prática do cuidar e diminuir a sobrecarga da pessoa que cuida; - Oferecer acompanhamento psicoterápico breve para cuidadores mais vulneráveis e estressados; - Identificar do perfil do familiar/cuidador do paciente assistido pela instituição.
Metas
  1. Construir roteiro programático baseado nas necessidades identificadas juntos aos familiares e cuidadores, tanto de conteúdos de educação em saúde, como de atividades lúdicas e socializantes;
  2. Estabelecer parcerias intersetoriais ampliando a rede de atenção ao idoso e cuidador;
  3. Minimizar o impacto de sobrecarga e estresse do cuidador por meio de suporte e apoio informativo e emocional;
  4. Melhorar o cuidado e a qualidade de vida do binômio paciente e cuidador.
Público alvo
Familiar e/ou cuidador de pacientes assistidos na unidade, que prioritariamente são idosos frágeis.
Divulgação
Através das equipes de assistência da instituição; pelo site e portal da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia; informes em mural e convites veiculados na unidade com a programação semanal.
Número de participantes
733
Atividades
Após realizada consulta com profissionais na unidade, estes identificam familiar/cuidador elegível para avaliação no Programa de Apoio ao Cuidador. O familiar/cuidador é agendado, passa por entrevista individual em consulta de enfermagem, em que é realizada avaliação com escuta qualificada e aplicação psicométrica da Escala Zarit, com identificação de necessidades e construção de plano terapêutico, que podem se desdobrar em: participação em reunião semanal de 2 horas no grupo “Espaço Cuidar”; consultas de segmento com enfermagem para orientações específicas, reuniões familiares; psicoterapia individual breve com psicólogo com duração de 12 a 18 sessões. No "Espaço Cuidar", as atividades têm programação diversificada, com roteiro pactuado coletivamente com os participantes, em que são definidos os temas, ações lúdicas, atividades socializantes, oficinas de práticas do cuidado, oficinas de artesanato, participação de convidados intra e intersetoriais. As palestras são realizadas por profissionais do CREASI ou de outras instituições, tendo temáticas como: vacinação, prevenção de câncer de mama/próstata, uso racional de medicamentos, fases da demência, alterações de comportamento no idoso, segurança no domicílio, suporte básico de vida, prevenção de quedas, direitos do cidadão, proteção social do idoso etc.
Resultados
Avaliações semestrais realizadas com os participantes para elencar temas de interesses e propostas. Participação de mais 50 parceiros institucionais na realização das atividades grupais ao longo da experiência, incluindo-se profissionais do Creasi, estudantes, residentes, profissionais de outras instituições. Depoimentos verbais nos processos semestrais de avaliação com os participantes, em que esses indicam impacto positivo na prática cotidiana, com estabelecimento de rotinas do cuidado à pessoa idosa e no autocuidado, além de relatos de melhora no bem-estar subjetivo após inclusão no Programa de Apoio ao Cuidador. Feedback positivo das equipes por meio de relatos de profissionais nas reuniões técnicas.

Ficha técnica

Município:
Salvador
Instituição Responsável:
Centro de Referência Estadual de Atenção à Saúde do Idoso - CREASI
Coordenação da experiência:
Amélia de Fátima Pinheiro de Oliveira e Nelci Medeiros Batista – enfermeiras do CREASI
Email da coordenação:
creasi.cae@saude.ba.gov.br
Telefone institucional:
(71) 3103-6122
Categoria da experiência:
Atenção à saúde da pessoa idosa no ambiente domiciliar
Parceiros:
Intra e intersetoriais (Corpo técnico do Creasi, profissionais da rede SUS, INSS, Corpo de Bombeiros, Universidades, Ministério Público etc.)
Fotos:

Coordenação de Saúde da Pessoa Idosa/DAPES/SAS/MS
Telefone: (61) 3315-6226
idoso@saude.gov.br